16 maio 2008

limao.com.br? Não sei!

Essa semana na disciplina de Mídia que tenho na faculdade, minha turma recebeu a visita da representante comercial do Grupo Estado em Porto Alegre.

A moça chegou lá e se demonstrou bem despreparada pra passar informações, acabou caindo em contradições e ficou sem resposta para algumas perguntas, tendo que dizer que "não sabia o por quê" (!!) quando questionada pelos futuros publicitários.

O que eu pude extrair da palestra, foi que o site limao.com.br pertence ao Grupo Estado. Não fazia idéia a quem o site pertencia, nem qual era a sua verdadeira proposta e a que público ele era dirigido.

Pra descobrir essas informações, nada melhor do que ter usado a oportunidade e perguntar pra quem trabalha com isso, não é mesmo? Claro, e foi isso o que eu fiz. Só que, como resposta, a moça disse primeiro que "não sabia".

Reformulei a pergunta, comentando que o site aparentava ser direcionado ao público que estava entrando na Internet, só que ao mesmo tempo era um site muito pesado, e encontrava-se em um paradoxo, por que quem está iniciando na Internet, em geral, tem uma conexão mais lenta.

Com mais tempo pra pensar, enquanto eu perguntava, ela disse, então, que o site era direcionado pra um público jovem, ainda sem foco em classes sociais, por que o "o site ainda está em versão Beta. E tá em beta por que o público dele tá sempre mudando, aí o site vai mudando. E a gente só vai saber quando parar, aí tiramos o Beta.".

Inicialmente, achei tudo o que ela disse, uma grande besteira. Mas, depois de colocar o assunto em discussão com a Giseleh, ela concordou que a representante do Estadão pecou ao não saber responder a que público se direcionava o site, além de ter dito que quando o site parar de mudar, eles vão tirar o Beta.

"Só que entendendo um pouco do assunto, sabemos que não existe isso de "parar de mudar". Por outro lado, as pessoas adotam as tecnologias para usos que quem desenvolveu não pensou, talvez por isso ela ache cedo para dizer qualquer coisa sobre o público que está usando. Por outro lado, algum público alvo eles devem ter em mente, já que tem todo um investimento de mídia, como na TV."

Tudo bem, é possível que eles realmente estejam testando o site, inicialmente, mas, a maneira como a representante respondeu, demonstrou que não sabia do que estava falando. Ela não tinha domínio sobre o produto que ela mesmo vende. Foi despreparada pra palestra, só leu slides - isso quando não passou-os direto, sem nem comentar o que diziam.

A palestra foi triste, por que enquanto queríamos ter um contato com alguém do mercado, que tenha conteúdo e boas informações pra nos passar, tudo que ela falou qualquer um de nós poderia ter falado.

07 maio 2008

Blogs e as Notícias

Desde que os Blogs começaram a ter uma visibilidade maior, eles passaram a servir, também, como fontes de informação. Aí, começou uma intriga entre os jornais e os blogueiros.

Os jornais passaram a criticar que os blogs não têm a credibilidade que um jornal tem. E que eles não são jornalistas profissionais, logo, não poderiam estar difundindo "notícias".

Os blogueiros, é claro, defenderam a sua posição. Um blog influencia e é influenciado pela televisão, rádio, jornal, etc e é capaz de disponibilizar conteúdo de forma extremamente fácil, de forma bastante informal.

Recentemente teve um episódio de uma notícia inventada que foi difundida pela blogosfera e que acabou saindo nos jornais. Era sobre um cara que tinha operado os dedos, pra ficarem mais finos pra que ele pudesse manusear de forma mais simples o seu iPhone. De tanto que os blogueiros publicaram, os jornais acabaram nem checando pelas informações e simplesmente publicaram como se fosse um fato verdadeiro. Só que na verdade nada disso tinha acontecido. Diz-se que foi uma pegadinha pra provocar os jornalistas, pra mostrar que até mesmo um jornal conceituado pode errar, e que eles não deveriam contestar a capacidade dos blogueiros em difundir notícias.

Mas, como tudo que dá certo é copiado, depois de serem temidos e criticados, os blogs passaram a servir de modelos para diários digitais desses grandes jornais que os menosprezaram tempos atrás. Só que a maioria desses blogs jornalísticos, tem como intenção somente atrair a atenção dos leitores, deixando para segundo plano a interação com eles, já que em muitos casos os espaços de comentários são censurados, ou até nem existem.

Aproveitando o tema, vou colocar aqui a matéria sobre a peça Inimigas Íntimas, que estava em cartaz aqui em Porto Alegre. Infelizmente, a temporada já acabou, mas em breve as gurias devem estar de volta pra tirar boas risadas do público!